Menu Right

Top Social Icons

Responsive Full Width Ad

Left Sidebar
Left Sidebar
Featured News
Right Sidebar
Right Sidebar
PARANAVAÍ Previsão do Tempo

domingo, 2 de junho de 2019

Liberar venda de cigarro eletrônico será retrocesso, diz especialista

Os efeitos positivos no Brasil do combate ao tabagismo podem se perder, em parte, caso os cigarros eletrônicos tenham a venda liberada no país. A coordenadora do Comitê de Controle do Tabagismo da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Jaqueline Scholz, disse que é preciso manter a proibição, porque os impactos desse produto são maiores do que os dos cigarros convencionais. Para a médica, seria um grande retrocesso a abertura do mercado a esses produtos.

“Toda essa política antitabaco, de prevenção e de cessação poderia ser perdida, na medida em que você vem com outros produtos que ainda não estão queimados porque não existe trabalho do ponto de vista de saúde pública mostrando o impacto do real dano que isso vai provocar”.
De acordo com a médica, o Juul, que é tipo de cigarro aquecido no formato de um pen drive, vendido nos Estados Unidos, além de causar mais dependência, libera uma quantidade maior de nicotina. Segundo a coordenadora, lá, a FDA [Food and Drug Administration], agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos está preocupada com os jovens que são a maioria dos consumidores desse produto.

“Para nós é de assustar ver no mundo, por exemplo, o juul, o cigarro aquecido, que desde 2015 quando foi lançado é líder de mercado. O FDA está desesperado com o número de usuários com dificuldade de cessação, porque o produto libera mais nicotina. Um pen drive pequeno libera mais nicotina do que quase dois maços de cigarro convencional, e os adolescentes são aprisionados na dependência à nicotina”, disse. Segundo ela, na Universidade na qual esteve na semana passada para a formatura do seu filho, um colega dele foi expulso após ser flagrado três vezes com um juul.
De acordo com Jaqueline Scholz, essa expulsão é apenas um dos casos que têm preocupado diretores de escolas americanas por causa do uso de cigarros eletrônicos entre os alunos. “Há relatos de diretores de escola solicitando auxílio porque os adolescentes não conseguem se privar. Eles têm abstinência rápida. É uma forma de nicotina diferente dos outros cigarros ou mesmo dos outros cigarros eletrônicos. Isso faz com que a absorção seja maior e a concentração do produto também é maior, então, o impacto cerebral é muito grande. É impressionante. A gente não quer isso aqui”.
A médica fez questão de acentuar os efeitos nocivos sobre a saúde de quem faz uso do juul, que atinge também o lado emocional da pessoa. “O custo psicoemocional é muito grande. A pessoa precisa ser medicada em uma crise de abstinência, porque se privou do produto, não consegue ter controle emocional e tem sintomas como irritabilidade, falta de concentração, angústia por não ter o produto. Isso destrói o cérebro”, disse. “Essa para mim é a grande questão. A questão da dependência e de como o indivíduo depende da droga a cada momento para poder pensar, raciocinar e viver”, completou.
Tânia Cavalcante, secretária-executiva da Comissão Nacional para a implementação da Convenção Quadro para controle do Tabaco, da Organização Mundial da Saúde (OMS), da qual o Brasil é signatário, também alerta para os efeitos nocivos do cigarro eletrônico. Para a médica do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a falta de um relatório de segurança de uso e de eficácia, porque o produto é apresentado também como uma alternativa de uso do cigarro convencional, exigido na regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), acaba provocando a proibição de venda no Brasil.

“Ninguém nunca apresentou esse relatório e, por enquanto, a Anvisa não liberou, mas existe uma pressão muito grande, agora que as grandes empresas de cigarros convencionais aderiram aos cigarros eletrônicos, já que teve um crescimento desse produto no mercado mundial”, disse à Agência Brasil, acrescentando que nem os eletrônicos, nem os convencionais são inócuos.

“Alguns dos cigarros eletrônicos líquidos pesquisados, mostraram que têm menos substâncias tóxicas que nos convencionais. Não tem alcatrão e não tem monóxido de carbono, mas não é um produto inócuo. Tem substâncias cancerígenas, tem partículas que causam danos no pulmão interfere no sistema cardiovascular, então, não é um produto para criança e adolescente usar”, afirmou.

RoyNews- Fonte- Agência Brasil por Por Cristina Índio do Brasil - Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro

Nenhum comentário

Postar um comentário

Responsive Full Width Ad

Copyright © 2018 Roy News | Du Pessoa Serviços Digitais (73) 9 8888 1488