Menu Right

Top Social Icons

Responsive Full Width Ad

Left Sidebar
Left Sidebar
Featured News
Right Sidebar
Right Sidebar

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Boletim da Secretaria da Saúde mostra mais cinco municípios com casos de dengue no PR,mais um é aqui da região.



Com a divulgação pela Secretária de Saúde de mais um município da Nossa Região com casos de dengue-- Porto Rico, agora são 7 cidades na região noroeste:: Amaporã, São João do Caiuá,Planaltina do Paraná, Paranavaí,Santa Isabel do Ivaí,Terra Rica Mais cinco municípios do Paraná registraram casos de dengue nesta semana. Eles são autóctones, ou seja, as pessoas foram infectadas na própria cidade, o que confirma a circulação do vírus. Os casos foram identificados nas cidades de Ponta Grossa, São Miguel do Iguaçu, Porto Rico, Sertaneja e Iguatu. Esses municípios, com exceção de Ponta Grossa, estão localizados nas regiões que atraem a atenção dos órgãos de vigilância sanitária, Norte, Noroeste e Oeste do Paraná.No total, 44 cidades paranaenses apresentam 142 casos confirmados da doença. Os dados estão no boletim epidemiológico sobre a situação da dengue, chikungunya e zika divulgado nesta terça-feira (15), pela Secretaria da Saúde do Paraná. Segundo a médica veterinária Ivana Belmonte, da Vigilância Ambiental da Secretaria, o aumento de cerca de 10% em relação à semana passada já era esperado devido ao período de fim de ano.Em Uraí não foram registrados novos casos, o que significa que as ações de combate ao vetor estão dando resultados. Elas foram intensificadas na última semana depois de um caso suspeito que acabou na morte de uma adolescente de 14 anos. Em Foz do Iguaçu foram registrados dois casos de dengue, um deles com sinal de alarme; o segundo, mais grave, é de um residente no Paraguai, portanto não consta das estatísticas. Na região de Curitiba, foi notificado apenas um caso, em Almirante Tamandaré, mas a doença foi contraída fora do Paraná.O verão, com temperaturas mais altas e o clima chuvoso, propicia o acúmulo de água e o desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti. Quem viaja deve redobrar os cuidados para evitar o avanço da doença, tanto na própria residência como no local de veraneio. Entre os criadouros mais comuns estão vasos e pratos de plantas, garrafas pet, copos plásticos, sacolas, latas e outros materiais recicláveis. Também existem outros vilões que nem sempre estão à vista, como calhas entupidas, ocos de árvores, bromélias e bandejas externas de geladeira.
RoyNews- Fonte-Paraná Portal.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Responsive Full Width Ad

Copyright © 2018 Roy News | Du Pessoa Serviços Digitais (73) 9 8888 1488